Praça Castro Alves

"A Praça Castro Alves é do povo, como o céu é do condor... ou do avião."

Conhecida como Porta de São Bento da fortaleza que envolvia o núcleo da Cidade do Salvador, do século XVI até a construção do Theatro São João. Em 1812 o local passou a ser chamado de Praça de São Bento, e logo depois, Largo do Theatro e abrigava a maior casa de espetáculos do país.

Em 6 de julho de 1881, o Largo tornou-se a Praça do Poeta, dez anos após sua morte. Mas o monumento à Castro Alves só foi inaugurado em 6 de julho de 1923, meses depois do incêndio que destruiu o Theatro São João. 

O monumento ao poeta foi contratado, em 1919, com escultor italiano Pasquale De Chirico (1873-1943). A estátua, em bronze, tem 2,9 metros de altura e o monumento tem altura total de 11 m. Na frente, existe uma escultura de um casal de escravos, simbolizando as lutas do poeta baiano pela abolição da escravatura.

Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871) teve vida curta, mas intensa. A Praça em sua homenagem é um dos símbolos da Cidade do Salvador.

Em 1971, os restos mortais do Poeta foram transferidos para uma cripta construída na base do monumento.

A praça foi requalificada em 2020 no governo do Prefeito Antônio Carlos Magalhães Neto.